Dupla inibição para melhor controle da Asma Grave e a sua relação com a Inflamação Tipo 2.1

50 a 70% dos pacientes com asma têm inflamação tipo 2.2,3
As IL-4 e IL-13 são citocinas centrais que desencadeiam essa inflamação, incluindo alérgica e eosinofilica.4

Asma no Brasil e no mundo

Estima-se que existam cerca de 235 milhões de pessoas com asma no mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS)5. Dependendo da fonte consultada, essa estatística chega a 300 milhões de pessoas com asma mundialmente.6



235 milhões

de pessoas com asma no mundo3



1 em 10 pessoas

sofrem da doença no Brasil7



5 óbitos por dia

são registrados no Brasil8



130 mil

hospitalizações por ano9

Variações de gravidade e tratamento

O principal objetivo do tratamento da asma é controlar os sintomas e reduzir o risco futuro de resultados adversos. Estes dois aspectos devem sempre ser avaliados.10 A função pulmonar é uma parte importante da avaliação do risco futuro, e deve ser medida com frequência.9,11


O principal objetivo do tratamento da asma é controlar os sintomas e reduzir o risco futuro de exacerbações ou de efeitos colaterais de medicamentos.10


GINA (Global Initiative for Asthma), uma diretriz global para o tratamento da asma estabelece que a gravidade da asma é determinada com base no nível de tratamento necessário para controlar sintomas e exacerbações.10


A Asma Grave é definida por pacientes que estão fazendo uso de corticoide inalatório em altas doses, associado a mais uma medicação de controle.10


Caso o paciente continue exacerbando mesmo após o tratamento otimizado, é considerado um paciente com asma grave não controlada.10


Asma leve
É bem controlada com a etapa 1 ou etapa 2 do tratamento, ou seja, baixa dose diária de corticosteroide inalatório (CI) ou baixa dose de CI-formoterol, conforme necessário.10


Asma moderada
Asma que está bem controlada com a etapa 3 do tratamento, ou seja, baixa dose de CI associado a um beta-2 agonista de longa ação (LABA). Ou etapa 4 com média dose de CI e associado a um beta-2 agonista de longa ação (LABA).10


Asma grave
Asma que requer etapa 4 ou etapa 5 de tratamento, ou seja, asma que requer altas doses de CI/LABA para se manter controlada ou a asma que se mantém não controlada apesar deste tratamento.10

-/media/Sanofi/Conecta/Campaigns/saiba-mais-sobre-asma-grave/grafico1_body_1920x1080.ashx?w=1920&hash=C0DCC1D2B764E488762651D281FD1413
Adaptado de Wenzel, S. Asthma phenotypes: the evolution from clinical to molecular approaches. Nat Med 18, 716–725 (2012).

Cerca de 3,7% dos pacientes com asma apresentam a forma grave da doença.10
No step 5, as diretrizes GINA recomendam a avaliação do fenótipo dos pacientes, pois, para os não controlados ou dependentes de corticoide oral, pode se considerar terapias adicionais, entre elas, biológicos.10

Inflamação tipo 2

50% a 70% dos pacientes com asma grave têm inflamação tipo 2.2,3 Essa inflamação é caracterizada por níveis elevados dos seguintes marcadores10:



eosinofilos_1

Eosinófilos no sangue ≥150 células/µL

Eosinófilos no escarro ≥2%

 

ige_1

IgE: a asma é clinicamente desencadeada por alérgenos

 

feno_1

FeNO ≥20 pp

 

icone-comprimido  Corticoide oral de manutenção

 

Utilizar mais de um biomarcador aumenta as chances de caracterização mais precisa do fenótipo de seu paciente.4,13,14

A Inflamação tipo 2 tem papel importante na asma não controlada, contribuindo para o aumento das exacerbações e diminuição da função pulmonar.15-20 As IL-4 e IL-13 são citocinas centrais que desencadeiam essa inflamação, incluindo alérgica e eosinofilica.4

Pacientes que têm asma tipo 2 podem ter ou desenvolver comorbidades também desencadeadas pela inflamação tipo 2.4 Essas comorbidades incluem:


>80%

têm rinite alérgica21


30% a 45%

têm RSCcPN (Rinossinusite Crônica com Pólipo Nasal)22,23

10% a 35%

têm dermatite atópica22-24


13% 

têm DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica)25


7%

têm NSAID-ERD/DREA (Doença Respiratória Exarcebada por Anti-inflamatório não esteroidal).26

-/media/Sanofi/Conecta/Campaigns/saiba-mais-sobre-asma-grave/Fig3_v2.ashx?w=974&hash=1A5D017C3F71EAF3C87BA4F1DC632D1C

Dupilumabe, o anticorpo totalmente humano, inibe a sinalização da IL-4 e IL-13, citocinas centrais da inflamação tipo 2 na asma.

 

Dupilumabe é indicado para:

- pacientes com asma grave com inflamação tipo 2 não controlada

- pacientes com asma grave dependentes de corticosteroide oral

 

Saiba mais: Dupixent® Asma Grave

REFERÊNCIAS

  1. Audrey Le Floc'h. Dual blockade of IL-4 and IL-13 with dupilumab, an IL-Ra antibody, is required to broadly inhibit type 2 inflammation.
  2. Seys SF, Scheers H, den Brande PV, et al. Cluster analysis of sputum cytokine-high profiles reveals diversity in T(h)2-high asthma patients. Respir Res. 2017;18(39):1-10.
  3. Peters MC, Mekonnen ZK, Yuan S, et al. Measure of gene expression in sputum cells can identify Th2-high and Th2-low subtypes of asthma. J Allergy Clin lmmunol. 2014;133(2):388-394
  4. Robinson D, Humbert M, Buhl R, et al. Revisiting Type 2-high and Type 2-low airway inflammation in asthma: current knowledge and therapeutic implications. Clin Exp Allergy 2017;47(2):161-175.
  5. World Health Organization (WHO). Chronic Respiratory Diseases: Asthma. Disponível em https://www.who.int/respiratory/asthma/en/. [Acesso em 04/11/2019]
  6. Silva, ECF; Serpa, FS; Emerson, MFE. Viver bem com asma: perguntas e respostas. EMESCAM. Vitória, ES, 2017.
  7. Strachan, D., Pearce, N., Garcia-Marcos, L., Asher, I. International Study of Asthma and Allergies in Childhood, 1992-2005. [data collection]. UK Data Service, 2017 [Accessed 5 November 2019].
  8. Cardoso, TA; Roncada, C; Silva, ER; Pinto, LA; Jones, MH; Stein, RT; Pitrez, PM. Impacto da asma no Brasil: análise longitudinal de dados extraídos de um banco de dados governamental brasileiro. J Bras Pneumol. 2017; 43(3): 163-168.
  9. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia para o Manejo da Asma – 2012 . Jornal Brasileiro de Pneumologia. v.38, Suplemento 1, p.S1-S46 Abril 2012.
  10. Global Initiative for Asthma. Global Strategy for Asthma Management and Prevention, 2020. Disponível em: https://ginasthma.org/gina-reports/ [Acesso em 10/08/2020]
  11. SBPT (Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia) [homepage na internet]. Disponível em: https://sbpt.org.br/portal/publico-geral/asma-informacoes-sbpt/ [Acesso em 07/11/2019].
  12. World Health Organization. Global surveillance, prevention and control of chronic respiratory diseases: a comprehensive approach, 2007.
  13. Ray A, Raundhal M, Oriss TB, Ray B, Wenzel SE. Current concepts of severe asthma. J Clin lnvest. 2016;126(7):2394-2403.
  14. Tran TN, Zeiger RS, et al. Overlap of atopic, eosinophilic, and TH2-high asthma phenotypes in a general population with current asthma. Ann Allergy Asthma Immunol. 2016 Jan;116(1):37-42. doi: 10.1016/j.anai.2015.10.027.
  15. Haselkorn T, Fish JE, Zeiger RS, et al; TENOR Study Group. Consistently very poorly controlled asthma, as defined by the impairment domain of the Expert Panel Report 3 guidelines, increases risk for future severe asthma exacerbations in The Epidemiology and Natural History of Asthma: Outcomes and Treatment Regimens (TENOR) study. J Allergy Clin Immunol. 2009;124(5):895-902.
  16. O'Byrne PM, Pedersen S, Lamm CJ, Tan WC, Busse WW; START Investigators Group. Severe exacerbations and decline in lung function in asthma. Am J Respir Crit Care Med. 2009;179(1):19-24.
  17. Nguyen VQ, Ulrik CS. Measures to reduce maintenance therapy with oral corticosteroid in adults with severe asthma. Allergy Asthma Proc. 2016;37(6):125-139.
  18. Haselkorn T, Chen H, Miller DP, et al. Asthma control and activity limitations: insights from the Real-world Evaluation of Asthma Control and Treatment (REACT) Study. Ann Allergy Asthma Immunol. 2010;104(6):471-477.
  19. Di Marco F, Verga M, Santus P, et al. Close correlation between anxiety, depression, and asthma control. Respir Med. 2010;104(1):22-28.
  20. Sullivan PW, Ghushchyan VH, Globe G, Schatz M. Oral corticosteroid exposure and adverse effects in asthmatic patients. J Allergy Clin Immunol. 2018;141(1):110-116.
  21. Rodrigues Cidália, Santis Michele de, Arrobas Ana Maria. Rinite alérgica e doenças associadas. Rev Port Pneumol [Internet]. 2009 Out [citado 2020 Ago 10] ; 15( 5 ): 891-898.
  22. Schleich F, Brusselle G, Louis R, et al. Heterogeneity of phenotypes in severe asthmatics. The Belgian Severe Asthma Registry (BSAR). Respir Med. 2014;108(12):1723-1732. doi:10.1016/j.rmed.2014.10.007
  23. Shaw, D.E., et al. Clinical and inflammatory characteristics of the European U-BIOPRED adult severe asthma cohort. European Respiratory Journal Nov 2015, 46 (5) 1308-1321.
  24. Gandhi NA, Bennett BL, Graham NM, Pirozzi G, Stahl N, Yancopoulos GD. Targeting key proximal drivers of type 2 inflammation in disease. Nat Rev Drug Discov. 2016;15(1):35-50. doi:10.1038/nrd4624
  25. de Marco R, et al. The coexistence of asthma and chronic obstructive pulmonary disease (COPD): prevalence and risk factors in young, middle-aged and elderly people from the general population. PLoS One. 2013 May 10;8(5):e62985.
  26. Stevens WW, Peters AT, Hirsch AG, et al. Clinical Characteristics of Patients with Chronic Rhinosinusitis with Nasal Polyps, Asthma, and Aspirin-Exacerbated Respiratory Disease. J Allergy Clin Immunol Pract. 2017;5(4):1061-1070.e3.

MAT-BR-2000334