História da pólio no Brasil, sucesso da vacinação e necessidade de mantê-la.

Os primeiros relatos de casos de poliomielite no Brasil foram feitos no início de 1911, em São Paulo e no Rio de Janeiro. Ainda em 1971, foi instituído o Plano Nacional de Controle da Poliomielite (PNCP) - Estratégia de vacinação em massa para crianças de 3 meses a 4 anos de idade1.

Três anos depois, em 1974, foi estabelecida a vacinação de rotina com a vacina Sabin (gotinha) sendo incluída no calendário infantil de vacinação a nível nacional. Em 1979 ainda foram registrados 2564 casos de Paralisia Infantil no Brasil, mas a vacinação foi um sucesso e em 1989 foram registrados os últimos casos de isolamento de poliovírus selvagem no Estado de São Paulo e no Brasil.4 Em 1994, o país recebeu da OMS/OPAS o “Certificado de Erradicação da Transmissão do Poliovírus Selvagem nas Américas”. A partir de então, o Brasil reafirma seu compromisso em manter altas coberturas vacinais e uma vigilância epidemiológica ativa.

Precisamos lembrar que no ano passado, 1 de cada 4 crianças estava com a vacinação atrasada contra a paralisia infantil.2

Em 100 cidades do Brasil, metade das crianças estão atrasadas na vacinação contra poliomielite2. Acontece que, infelizmente, ainda não conseguimos acabar com a paralisia infantil no mundo3. A pandemia de COVID 19 nos mostrou a rápida capacidade que um vírus tem de viajar de um país para o outro.   

Por isso, é vital manter altas coberturas vacinais e impedir o ressurgimento desse vírus em nosso país, ao exemplo do que aconteceu com o Sarampo após obtermos o certificado de País livre do Sarampo em 2016.5

O Brasil deu um passo importante para ajudar a eliminar essa doença, trocando as gotinhas pela vacina injetável nos menores de 1 ano, mas ainda temos muito trabalho a fazer.6 Por isso é necessário que consigamos manter a carteirinha de vacinação de nossas crianças em dia.

Cada um de nós: pais, profissionais de saúde, educadores ou políticos somos co-responsáveis para que nunca mais vejamos essa doença em nossas crianças.

Nos siga nas redes sociais:

icon_facebook icon instagram icon podcast