Mesmo com o avanço da ciência e da pesquisa, o Brasil vive um fenômeno interessante e preocupante: enquanto a oferta de vacinas cresce, a cobertura vacinal diminui e está preocupantemente baixa em todo o país. As chamadas ‘vacinas combinadas’ podem ser uma ferramenta essencial para combater esse problema, uma vez que em uma única picada, o paciente recebe proteção contra mais doenças - além de ‘economizar’ o sofrimento dos bebês e dos pais.3

A cobertura vacinal eficiente é muito importante para a saúde pública. Em 1930, por exemplo, doenças infecciosas e parasitárias representavam 45,7% dos óbitos no Brasil, índice que caiu para 4,3% em 2010, com o avanço da vacinação, segundo o Ministério da Saúde¹. Já na década de 1980, doenças como o sarampo, poliomielite, rubéola, meningites, tétano, coqueluche e difteria causaram +5,5 mil óbitos entre crianças de até 5 anos no Brasil. Em 2009, foram 50 casos fatais, afirma o diretor do Bio-Manguinhos, Maurício Zuma.4

A baixa da cobertura vacinal é um sinal de alerta, especialmente para a saúde dos pequenos. O objetivo da vacinação é evitar mortes por doenças preveníveis, que acontecem, na maioria das vezes, no primeiro ano de vida2, o que reforça a importância da vacinação o mais precoce possível. Mas, considerando o tamanho da população brasileira, essa missão não é tão fácil: atualmente, existem mais de 20 vacinas disponíveis no país.5 Várias dessas vacinas exigem 2, 3 ou mais doses para garantir a eficácia e, nesses casos, tudo passa a ser um desafio. Seja o transporte, armazenamento ou aplicação dos imunizantes. 

Com isso, a vacina ideal para facilitar a imunização da população seria uma polivalente contra todas as doenças - o que ainda não existe, mas é um dos grandes objetivos da ciência mundial. A vacina combinada, além de proteger os bebês com menos visitas aos hospitais, também colaboraria para poupar espaço nas câmaras de conservação, no transporte e no tempo de preparo e vacinação das doses. 

Todos esses fatores, juntos, podem melhorar a adesão às vacinas, melhorar a agilidade dos processos e potencialmente contribuir em uma melhora da cobertura vacinal.


Nos siga nas redes sociais:

icon_facebook icon instagram icon podcast