Cerca de 246 milhões de pessoas de todas as idades sofrem de depressão.1

Estima-se que a COVID-19 tenha causado um aumento de 70 milhões de casos de transtornos de ansiedade no ano de 2020, superando a marca dos 370 milhões de pessoas com esse tipo de transtorno no mundo.1

Quase metade dos pacientes com depressão também é diagnosticada com transtorno de ansiedade.2

A incidência de depressão em mulheres é cerca de duas vezes maior do que em homens.2
Pessoas com transtornos mentais:3
 
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é líder mundial em prevalência de transtornos de ansiedade e ocupa o quinto lugar em taxas de depressão.4

Em 2017, antes da pandemia:5
  • a prevalência de transtornos depressivos no Brasil era de 3,30%;
  • a maior prevalência era de 3,79% em Santa Catarina;
  • a menor prevalência era de 2,78% no Pará. 
No entanto, há diferenças significativas entre as diferentes regiões da Federação.5

Em 2019, na população da Amazônia Brasileira:6
  • 24% – sofriam sintomas depressivos;
  • 21% – sofriam sintomas de ansiedade.
Geralmente associados a fatores socioeconômicos e comportamentais e à saúde. 

Crianças e adolescentes


Em todo o mundo, no primeiro ano da pandemia de COVID-19:7
  • 1 em cada 4 jovens apresentava sintomas de depressão;
  • 1 em cada 5 jovens apresentava sintomas de ansiedade.

Essas estimativas são o dobro das estimativas pré-pandemia.7