Indicação e uso

A imiglucerase é indicada para uso como terapia de reposição enzimática (TRE) de longo prazo em pacientes com diagnóstico confirmado de doença de Gaucher, que produz uma ou mais das seguintes condições: anemia, trombocitopenia, alterações ósseas, hepatomegalia e/ou esplenomegalia.1


Dose e administração da imiglucerase

Reconstituição de Cerezyme® (imiglucerase):1

      • No dia de uso, após determinada a quantidade correta de imiglucerase a ser administrada ao paciente, cada frasco-ampola de imiglucerase deve ser reconstituído adequadamente com água para injeção USP.
      • Evitar impactos fortes da água para injeção no pó e, misturando suavemente, evite a formação de espuma na solução. Após reconstituição, a concentração do produto é de 40 U/mL (Tabela 1).
      • A imiglucerase reconstituída deve ser inspecionada visualmente antes do uso. Sendo uma solução proteica, uma leve floculação (descrita como fibras finas translúcidas) ocorre ocasionalmente após diluição. A solução diluída pode ser filtrada por meio de filtro de linha de 0,2 m durante a administração. Qualquer frasco-ampola que apresente partículas opacas ou alteração da coloração não deve ser utilizado.

Tabela 1. Concentração final e volumes de administração

(Adaptado de Bula Cerezyme®)1

 
Como a imiglucerase não contém substâncias conservantes, após reconstituição, os frascos-ampola devem ser prontamente diluídos com cloreto de sódio 0,9% para injeção, USP, e não devem ser guardados para uso posterior.1

 

Caso não seja possível, depois de aberto e reconstituído com água para injeção USP, a imiglucerase permanece estável por até 12 horas em refrigerador, sob temperatura entre 2°C e 8°C.1

 

Diluição da imiglucerase reconstituída:1

  • Técnicas de assepsia devem ser seguidas no procedimento de diluição.
  • Retirar um volume de 10,0 mL do frasco-ampola de 400 U.
  • Imediatamente, diluir com solução de cloreto de sódio 0,9% para injeção USP, a um volume final de 100 mL a 200 mL, conforme a dose calculada a ser administrada ao paciente.
  • Misturar suavemente a solução para infusão.
  • A imiglucerase é administrada por infusão intravenosa durante 1 a 2 horas.

Posologia:1

  • A imiglucerase é administrada por infusão intravenosa durante uma a duas horas.
  • A posologia deve ser individualizada para cada paciente e pode variar de 2,5 U/kg de peso corporal três vezes por semana até 60 U/kg a cada duas semanas.
  • O esquema de 60 U/kg a cada duas semanas corresponde à posologia utilizada na maioria dos dados disponíveis.
  • A gravidade da doença pode indicar que o tratamento deve ser iniciado com dose mais alta ou frequência maior de administração.
  • O ajuste de dose deve ser feito em bases individuais, podendo aumentar ou diminuir, dependendo do sucesso terapêutico obtido, determinado pela avaliação rotineira completa das manifestações clínicas do paciente.
  • A toxicidade relativamente baixa da imiglucerase combinada com a evolução da resposta por longos períodos permitem que pequenos ajustes de posologia sejam feitos para evitar perdas com descarte de frascos parcialmente utilizados. Assim, a dosagem administrada nas infusões pode ser ligeiramente aumentada ou diminuída, visando a utilizar cada frasco-ampola na totalidade, desde que a dose mensal não seja alterada.


Local de administração do tratamento:1

  • A infusão de imiglucerase em casa pode ser considerada para os pacientes que toleraram bem as infusões por vários meses.
  • A decisão de transferir o paciente para infusão em casa deve ser feita após avaliação e recomendação médica.
  • A infusão de imiglucerase pelo paciente ou profissional de saúde em casa requer treinamento por um profissional de cuidados de saúde em um ambiente com instalações clínicas apropriadas.
  • O paciente ou o profissional de saúde serão instruídos na técnica de infusão e sobre a necessidade de manutenção de um registro de tratamento.
  • O paciente que apresentar eventos adversos durante a infusão deve parar imediatamente o processo de infusão e buscar a ajuda de um profissional de saúde.
  • As infusões subsequentes podem precisar ocorrer em um ambiente com instalações clínicas apropriadas.
  • A dose e a velocidade de infusão devem permanecer constantes nas infusões domiciliares, e não podem ser alteradas sem a supervisão de um profissional de saúde.

Nota: caso o paciente não compareça ou não realize a infusão no dia marcado, deverá fazê-lo em uma nova data, o mais breve possível, pois a falha nas infusões ou a interrupção das mesmas não trarão os benefícios esperados do tratamento. Para controlar os sintomas da doença de Gaucher, é recomendado que o tratamento com imiglucerase seja contínuo.1


Uso de imiglucerase na gestação

Efeitos teratogênicos: não foram realizados estudos em animais sobre reprodução com imiglucerase. Não se sabe se a imiglucerase causa danos ao feto quando administrado a mulheres grávidas ou se pode afetar a capacidade reprodutiva. A imiglucerase não deverá ser administrada durante a gestação, exceto quando a indicação e a necessidade são evidentes e o benefício potencial justifica substancialmente o risco.1

Categoria de risco na gravidez: C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.1

 

Reações adversas por classe de sistema de órgãos e frequência


Desde a aprovação de imiglucerase em maio de 1994 nos EUA, a Genzyme vem mantendo um banco de dados internacional pós-comercialização de eventos adversos relatados espontaneamente ou discutidos na literatura médica. A porcentagem de eventos para cada termo de reação adversa relatada foi calculada utilizando o número de pacientes dessas fontes como o denominador para o total de exposição dos pacientes ao produto desde 1994. A exposição real dos pacientes é difícil de ser obtida, por causa da natureza voluntária do banco de dados e da contínua inclusão e perda de pacientes durante o período considerado. O número real de pacientes expostos à imiglucerase desde 1994 provavelmente é maior que o número estimado a partir dessas fontes voluntárias de informação e, portanto, as porcentagens calculadas para as frequências das reações adversas provavelmente são maiores que as incidências reais.1

A experiência adquirida em pacientes tratados com imiglucerase revelou que aproximadamente 13,8% dos pacientes apresentaram eventos adversos considerados relacionados à administração da droga e que ocorreram com aumento de frequência.1

 

Tabela 2. Eventos adversos por frequência do evento

*Sintomas sugestivos de hipersensibilidade ocorreram durante ou logo após as infusões. Pré-tratamento com anti-histamínicos e/ou corticoides e redução da velocidade de infusão permitiram o uso contínuo de imiglucerase na maioria dos pacientes. (Adaptado de: Bula Cerezyme®)1

As taxas de incidência não podem ser calculadas a partir dos eventos adversos relatados espontaneamente no banco de dados pós-comercialização. A partir desse banco de dados, os eventos adversos relatados mais comumente em crianças (com idade entre 2 e 12 anos) incluíram: dispneia, febre, náusea, rubor, vômitos e tosse, enquanto em adolescentes (>12 até 16 anos) e em adultos (>16 anos), os eventos mais comumente relatados incluíram cefaleia, prurido e exantema. Além das reações adversas que foram observadas nos pacientes tratados com imiglucerase, edema periférico transitório tem sido relatado para essa classe terapêutica de droga.1


Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificação de Eventos Adversos a Medicamentos–Vigi Med, disponível em 
http://portal.anvisa.gov.br/vigimed, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.1


Superdosagem

Doses de até 240 U/kg a cada duas semanas foram utilizadas em pacientes e, nesses casos, não foram relatados sinais de toxicidade. Não existem relatos espontâneos ou clínicos de superdose. Em caso de superdose acidental ou intencional, deve-se monitorar o paciente e adotar medidas de suporte adequadas às possíveis reações adversas.1


Em caso de intoxicação ou se você precisar de mais orientações, ligue para 0800 722 6001.1


Conclusão

Veja a bula completa de Cerezyme® em: